quarta-feira, 5 de março de 2014

NOTAS SOBRE A GEOGRAFIA DE BASQUIAT

                                                         

 
Identifico-me demais com Jean Michel Basquiat. Talvez pelo fato do auge de sua produção ser contemporâneo de minha infância e adolescência. Ou ainda, por seu habitat de criação, Nova York, ser uma megalópole globalizada tal qual Sampa, onde nasci, cresci e vivo. Tempo e espaço nos aproximam, embora os lugares sejam distantes. Mas, é óbvio, sem a reflexão ética e a explosão estética que seu trabalho propõe não seria possível falar dessa identidade.

O grafite parece-me ser de longe a linguagem que melhor expressa a angústia urbana , seja para denunciar a vida em sua plenitude, seja para nos mostrar o quanto ela está ameaçada. Essa função ética é essencial em tempos nos quais lutamos por nos identificar em meio à tantas e complexas identidades. Trata-se de uma forma de linguagem de rua, pública, desnuda, que se opõe radicalmente à apropriação privada dos lugares da cidade. Assim, é uma ética revolucionária diante da vida mercantilizada e da servidão consentida, embora tal linguagem só seja possível no contexto tempo/espaço pós-industrial. Exemplo contundente da dialética da modernidade da qual Marshal Berman nos fala.

As cabeças sem perspectivas, as ranhuras primais, o fundo poluído, a sobreposição de figuras, o grito mudo estampado nos desenhos, são o conteúdo do mundo urbano de Basquiat e nosso. É a estética do nosso ambiente que se vê diante dos quadros realizados pelo negro pintor neoexpressionista do Brooklyn. É o universo urbano agnóstico e simbólico que se expressa nas pinceladas fortes, desproporcionais e abandonadas das telas de Basquiat. Sobre caracteres caoticamente despejados, a paisagem choca e suaviza o olhar e, após a espantada contemplação, coloca o observador no centro da imagem e do imagético.

A ferocidade demasiadamente humana da arte desse artista, descendente de Haitianos e Porto-riquenhos, só é compreensível no contexto da velocidade das transformações que nos acompanham, naquilo que Milton Santos denominou de espaço técnico- científico e que a todos envolve. Um meio técnico e científico em que tudo se torna demasiadamente volátil e passageiro. A obra de Basquiat só é inteligível no contexto da espacialidade globalizada, na qual Haiti ou Porto Rico, assim como Nova York e São Paulo fazem parte da mesma realidade. Miséria e riqueza, centro e periferia, ateísmo e religiosidade, entre outros polos da dialética humana compõem a paisagem da modernidade mundializada.  Esses elementos também compõem a síntese de Basquiat.

Falecido precocemente, aos 28 anos de idade, Jean Michel Basquiat é um dos heróis que morreram por overdose dos quais nos fala outro artista brasileiro, também contemporâneo do pintor. De fato, a década de 80, não foi tão perdida como querem fazer crer os economistas e, como de resto o futuro confirmou, muito menos quando se deu o fim da história.

Por fim, cabe dizer que desde os gregos é conhecida a simbiose entre ética e estética.  A fusão da forma e conteúdo nas artes plásticas foi consequência do devir histórico. A espacialidade que o homem desenvolveu remete à geografia a tarefa inadiável de colaborar, nessas quadras da odisseia humana, com a compreensão daquilo que, conforme Nietzsche “existe para que a realidade não nos destrua”: a arte.

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

NOTAS BREVES SOBRE OS ROLEZINHOS EM SHOPPINGS CENTERS



Shoppings de Itaquera e Leblon, alvos de flash mobs ou rolezinhos recentes e localizados em bairros da periferia e do centro, são territórios diferentes, mas que em comum apresentam a espacialidade uniformizadora criada pela sociedade de consumo. Exemplo de como espaço, território e lugar, são conceitos diversos para a análise geográfica e sociológica de determinados fenômenos. Os jovens da periferia parecem compreender essas distinções e contradições de forma muito mais orgânica do que seus repressores e isso se traduz em ações que não podem ser reprimidas sem evidenciar a arbitrariedade dos feitores da casa grande.

Se concordarmos com Zygmunt Bauman, para quem que a opressão atual se dá pelo consumo e não só no âmbito da produção e que também alerta para o divórcio entre poder e política, os rolezinhos em shoppings tem um caráter mais radical do que as manifestações de junho, no sentido exato da palavra. Vão, de fato, à raiz do problema.   Ambos os movimentos caracterizam-se pela horizontalidade organizativa, mas os jovens da periferia apresentam de fato, as questões essenciais do mal estar contemporâneo: o consumismo e o poder real nas mãos do capital que resultou na captura e submissão do Estado em todos os lugares do planeta.

Os templos de consumo, territórios de circulação pública do sujeito consumidor, mas de domínio privado, ocuparam o lugar dos territórios verdadeiramente públicos, onde se poderia exercer de fato alguma cidadania e que fundamentalmente, não estão presentes na periferia. Os limites entre o imaginário de consumo da juventude da periferia e o capital tem sua territorialidade demarcada. A reação dos setores sociais e instituições que objetivam a manutenção do sistema já é conhecida frente aos atuais occupy shoppings centers organizados em flash mobs. Resta saber quais serão os próximos movimentos dos excluídos que apenas desejam manifestar seu interesse de participar do jogo e não nega-lo.

 

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Enquanto a primavera não vem.

Fim de tarde, razoável, a temperatura evolui sem solavancos, como uma passista na passarela de uma noite de carnaval. Calma e compassada, vai seguindo até o êxtase, o apogeu da intensidade rítmica. Quando, energicamente, gotas de suor deslizam pela pele, destacando o brilho dos corpos sob a luz tornada tímida, ela parece resolver quedar como Ícaro sem suas asas. Um vento tão forte como o sabor de canela num chocolate do centro velho decreta o despencar dos graus centígrados e, não contente, resseca o ar, feito o balconista de padaria enxugando o chão por onde passantes buscaram seus pães de cada dia.

É inverno em Sampa, mas, um veranico extemporâneo, intruso, desavergonhadamente aparece para exibir-se e relembrar aos homens e mulheres dessas terras tropicais a sua existência, embora isso não fosse necessário. Para esses seres, o dia quente e regado feito rosa no quintal nunca sai da memória, nem da alma.

À noite, o ar seco, cinzento e frio percorre a pele, como ácido corroendo as veias. A poeira inalada amplifica a aridez dos prédios imóveis sob o céu paralisado. Enxames de helicópteros transportam chefes executivos de escritórios, poupando preciosos momentos da vida daqueles  a comandar o pacto da servidão consentida. Também lá vão cinegrafistas a capturar imagens da barbárie urbana congestionada, para bombardeá-las em meio às chamadas repletas de sangue dos noticiários televisivos.  Pelos túneis do metrô, nos ônibus enfileirados pela prisão dos movimentos congestionados, nas plataformas pichadas por estranhos signos, turbas angustiadas seguem apressadas e imóveis.  Velozes veículos miram semáforos brotados do chão, feitos cruzes em encruzilhadas, feito forcas da inquisição. As religiões de outrora e as de agora mantém seus ícones por vezes, de maneiras muito semelhantes.

Black blocs, ninjas, surfistas com seus skates, celulares, laptops, surfam escorregadios pelas catracas do cotidiano, enquanto skinheads com tacos de hóquei desfilam de patins. A velha vertiginosa velocidade das juventudes não suporta a paralisia. Se mover na velocidade dos SMS’s digitados nervosamente, do sexo rapidamente combinado, enquanto se ouve a canção despretensiosa e embriagada de rock e hip hop baixada em instantes pela rede, é o objetivo. A lenta metrópole do espaço público nega e reafirma a celeridade destruidora do ambiente privado. Os cacos das vidraças estilhaçadas sintetizam os fragmentos da poesia não verbalizada, da agonia não digerida.

Segue assim agosto, mês com nome de imperador romano, derramando seus dias vagarosamente, assim como sorvo meu chocolate com canela.  Lembro-me da música do Chico falando da correria da cidade que apressa o amanhã. Não tenho pressa, aguardarei serenamente a primavera



 

domingo, 16 de junho de 2013

Sabores, cores e odores de uma manhã de outono.


A manhã acorda e, sonolenta, assovia um bom dia para os passantes.  O forte cheiro de café grafita os murmúrios dos sonhos saídos da memória enquanto bolinhos adocicados são desmanchados pela boca amargurada. O vento discreto das manhãs de outono sabe ser delicado e intenso.

Os berros emudecidos das manchetes dão conta dos protestos urbanos ocorridos na noite anterior.  Manifestantes presos, feridos são somados às vítimas alheias às causas da revolta.  Versões de relatos sobre a batalha entre indignados e repressores são esmiuçadas em letras embaralhadas. Blindados, escudos de aço, cassetes, projéteis de borrachas tentam proteger alguns da imbatível vontade de muitos de serem ouvidos. O ácido do vinagre, tornado bálsamo, ameniza a corrosão sentida na pele imberbe.   A violência do poder prescinde de motivação e procurar motivos é desnecessário quando se é oprimido.

Insolente como a juventude, temperada por sol e chuva, a manhã de outono ilumina as gotas de garoa que deslizam pelo vidro da janela, pela qual se vê a vida seguindo apressada. As lágrimas derramadas por leitosas fumaças, ressecadas, também temperam com seu sal a manhã prenhe de brisas.  Notívagos e madrugadores compartilham solitariamente, ambientes e incertezas enquanto meninos despertam pela calçada. Na velocidade em que andamos, não só a história é um pesadelo do qual se tenta despertar: o presente também o é.

Vertiginosos informes desenham labirintos por onde desorientadas conversas se perdem. A comunicação não é característica da sociedade repartida. Distintas coisas por vezes parecem ser semelhantes: informação e comunicação, discursos e diálogos. As aparências teimam em querer ser no mundo das mercadorias e do espetáculo. A vigília modernizada e consentida tudo acompanha para manter o caos disciplinado, o ordenamento da liberdade opressora.

 O frescor do café ainda esparrama seu odor e colore perspectivas desnudas de sonolência.  Os sabores, cores e odores da manhã de outono renovam esperanças como um velho carvalho a trocar sua folhagem. Enquanto isso, jovens seguem pensando e organizando a próxima passeata.

   

                                                                                                 

 

 

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Debate na Bahia

 
A mirada de um geógrafo sambista para o modelo brasileiro de transporte. Se Caymmi cá estivesse estaria com João Ubaldo Ribeiro nesse Debate na Bahia
 
 
 
 

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Tour urbano

 
Tour urbano
 
Alguns aspectos de uma metrópole pelo olhar de um geógrafo e compositor
 
 

Tarefas estratégicas para a educação brasiliera

A construção de um Sistema único articulado em âmbito nacional tem um caráter estratégico para que tenhamos educação pública de qualidade em nosso país, assim como a ampliação de investimentos no setor.
A fragmentação do sistema de ensino brasileiro tem sido fator estruturante para barrar avanços, seja pela pulverização das ações  provocadas por concepções distintas de políticas públicas por parte dos diferentes governos instalados na estrutura federativa brasileira, seja pelas desigualdades econômicas e sociais presentes no território nacional. O caráter indutivo da união na implementação das políticas públicas de educação básica não se apresenta mais como alternativa para estabelecermos a educação básica como instrumento de desenvolvimento nacional.
A lei do piso nacional para valorização profissional dos professores  é um exemplo do que estamos falando. Embora aprovada no parlamento federal, sancionada pelo executivo e reafirmada pelo judiciário, encontra entraves políticos e econômicos para ser implantada no âmbito dos estados e municípios.
A construção do Plano nacional de educação deverá ter o sistema articulado de educação pública como objetivo fundamental, assim como a garantia de 10% do PIB e a vinculação de recursos dos royalties do petróleo, sob pena de, se assim não for, vermos frustradas a execução de ações que resultem na educação que desejamos e merecemos.
Por fim, certo também é que tal concepção estratégica só pode ser assumida pelos movimentos sociais comprometidos com um projeto nacional e popular de nação
.

quinta-feira, 4 de abril de 2013

A revisão do plano diretor e os desafios da cidade de São Paulo.



A câmara municipal de São Paulo acertou ao arquivar o projeto de lei da gestão Serra/Kassab que pretendia rever o Plano diretor da cidade. Uma revisão limitada aos aspectos físicos da cidade, fortemente impregnada pelos interesses do setor imobiliário, além de não representar os interesses da maioria da população paulistana, não tinha uma visão estratégica de redução das desigualdades históricas aqui presentes, além de desconsiderar as abissais demandas sociais que devem ser atendidas pelo poder público.

Um novo projeto que, inversamente, entenda o espaço urbano como um fenômeno constituído de materialidades e imaterialidades (territórios, edificações, vias de circulação, relações sociais, fluxos de informação, etc.), se apresenta de forma mais adequada para enfrentamento dos desafios urbanos presentes numa metrópole desse porte. A base para constituição dessa orientação estratégica, a nosso ver, deve ser o próprio Plano diretor elaborado e votado na gestão da prefeita Marta Suplicy.

Elementar que a revisão deve considerar a dinâmica histórica que a tudo submete. Parodiando Heráclito: a São Paulo de 2000 não é a mesma de 2013, embora se trate da mesma cidade, assim como ocorre ao país e ao mundo. Uma população aumentada, classes sociais que se recolocam no ambiente econômico, novas tecnologias de comunicação e de produção, o arrefecimento da crise de mobilidade e de moradia, são exemplos de elementos que alteram a conjuntura e impõe novas orientações estratégicas para a gestão política de nosso município.

A necessidade de aproximar emprego e morada, de dar primazia ao transporte coletivo, de termos uma cidade educadora, mobilizando sinergias já presentes na cidade mais rica do país, são objetivos presentes naquilo que a campanha eleitoral de Fernando Haddad denominou de “Arco do futuro” e que devem estar contempladas nesse processo revisor. 

Que a câmara municipal de nossa urbe tenha ciência desses desafios e não se apequene em meio às entranhas da pequena política, oferecendo aos que aqui vivem as ferramentas legais necessárias para a construção de uma cidade mais justa.

 

quinta-feira, 21 de junho de 2012


O colapso da mobilidade urbana em São Paulo
 Possíveis políticas para sua superação

                                                                                      por Roberto Guido



A mobilidade urbana em São Paulo entrou em colapso. Fruto do descaso histórico dos poderes públicos com as causas estruturais do problema, apresenta hoje um crise que não poderá ser enfrentada com medidas pontuais, fragmentadas e insuficientes, como, de resto, tem sido o histórico de intervenção urbana em nossa cidade.

Em primeiro lugar, cientes de que os mecanismos indutores da orientação centralizadora da malha viária paulistana são determinados pela lógica da especulação imobiliária, é necessário ter claro que se se pretende iniciar o enfrentamento do problema, é urgente iniciar o desmonte dos mecanismos de transferência da renda social da terra para setores minoritários da cidade (agentes imobiliários, construtoras, entre outros).

Para isso é fundamental a instituição de incentivos fiscais na periferia da cidade e a instituição do imposto progressivo nas áreas mais centrais: Valorizar a instituição da produção de bens e serviços na periferia, gerando emprego e renda para os setores populares e assim diminuir o peso das migrações pendulares, característica dos ambientes urbanos densamente povoados, ao mesmo tempo em que o poder público induz à ocupação dos terrenos vazios (e que não são poucos) nas áreas mais centrais.

A implementação dessa diretriz de política pública urbana, portanto, resultaria em duas consequências bastante favoráveis à cidade: No curto prazo, redução da demanda de transporte pela fixação de um maior contingente populacional próximo à sua residência por conta de uma maior oferta de bens (materiais, serviços, culturais) de maneira descentralizada. Num prazo maior, o desestímulo à ocupação periférica patrocinada pelos setores rentistas da terra que assim o fazem objetivando especular com o advento de benfeitorias públicas nessas áreas, benfeitorias essas que necessariamente também são ofertadas nas áreas mais centrais e vazias e das quais as que mais se destacam são as vias urbanas, na sua maioria convergentes para o centro e que pelo seu traçado radial, acentuam o colapso de mobilidade que assistimos hoje.


Em segundo lugar, são necessários fortes investimento em transporte público (corredores de ônibus, metrô, trens) de forma coordenada, pelas esferas federal, estadual e municipal. Para desestimular o uso de veículos pelos indivíduos, o transporte coletivo deve ter qualidade, o que está longe de ser uma realidade em São Paulo. Parece ser claro que só forças políticas que, de forma republicana, garantam ações coordenadas e integradas poderão levar à cabo essa empreitada.

Pesquisa encomendada pela ONG Nossa São Paulo ao IBOPE constata que 67% dos entrevistados reprovam as atuais políticas voltadas para a diminuição do trânsito, 70% não conseguem verificar a prioridade ao transporte coletivo, 68% reprovam o tempo de deslocamento, assim como 71% o fazem em relação à pontualidade dos ônibus (o tempo médio de espera de ônibus em São Paulo é de 22 minutos). A restrição aos ônibus fretados, política de incentivo ao uso particular por parte da prefeitura de São Paulo, é contestada por 71% dos entrevistados.*

O metrô paulistano, com apenas 74,3 km de extensão (cerca de 1/3 da extensão do seu similar na Cidade do México e que teve o início da sua construção um ano após o nosso) está saturado, é caríssimo, e sua gestão está comprometida pela completa ausência de transparência. Reformas de trens que custam quase o preço de novas aquisições, construções superfaturadas, privatizações, complementam o caos no qual estão submetidos cerca de 3,5 milhões de usuários/dia que superlotam as poucas linhas e composições existentes. Quadro similar encontraremos na rarefeita rede ferroviária estabelecida em São Paulo.

Com relação aos corredores e frota de ônibus a mesma realidade se apresenta: nenhuma expansão e aumento acentuado da demanda.


Por fim, chama a atenção a ausência de um plano cicloviário, não só para as áreas centrais, mas também para os bairros periféricos, integrado à outras modalidades de transporte, de sorte que tenhamos uma alternativa limpa e saudável do ponto de vista energético e de qualidade de vida. Mas além disso, é preciso investimento em campanhas institucionais e educacionais para valorização desse meio de transporte pelos diversos extrato sociais. Dos entrevistados pela pesquisa citada, 74% ressentem-se da ausência de ciclovias, o que demonstra o potencial que um plano cicloviário combinado com campanhas institucionais de incentivo ao uso de bicicletas poderia ter como mais um elemento para enfrentarmos o colapso da mobilidade urbana paulistana.

Não se pretende aqui esgotar esse assunto, mas demonstrar que as atuais medidas tomadas pelo poder público são insuficientes, fragmentadas, pontuais e que na maioria das vezes limitam-se à ações relativas à regulação da circulação urbana e que, de maneira alguma podem dar conta de um problema que é sistêmico e tem determinações estruturais.

*Pesquisa IBOPE sobre percepção da população encomendada pela ONG Nossa São Paulo.

sábado, 7 de abril de 2012

Outono Hip Hope

Outono Hip Hope


Mais um outono
se aconchega na paisagem imobilizada,
feito criança de rua.

Como se só ele pudesse se movimentar,
parece correr pela avenida congestionada,
feito criança de rua.

Intensos decibéis  são arremessados ao ar
martelando a atmosfera cinzenta e aprisionada.,
como  bolas de gude.

Outono hip hope,
ao brincar com  as cores dos grafiteiros meninos,
um risonho, outro rude,

segue assobiando
um rap periférico saído do centro do moinho
vivo.

Num dia ensolarado
a cidade resistente abre-se  para o outono de Abril
com seu estranho sorriso.


quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

SÃO PAULO, 458 ANOS: UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA.


Às vésperas de mais um aniversário de São Paulo é necessário comemoramos a generosidade dessa cidade que nos abriga e nos acolhe, metrópole pulsante que nos faz vibrar, que nos imprime boas e más emoções, lugar que nos molda e que moldamos, onde tantos iguais lutam contra a desigualdade. É hora de parabenizar todos que a construíram e a constroem.
Mas também é o momento de refletirmos sobre os rumos que queremos seguir.
Pesquisa do IBOPE, encomendada pela Rede Nossa São Paulo para coleta dos Indicadores de Referência de Bem-estar no Município (IRBEM), constata que 56% de um total de1512 pessoas entrevistadas mudariam de cidade se isso lhes fosse possível. Para 30% desses cidadãos a administração da cidade é ruim ou péssima.
Para a compreensão desse resultado, após quase oito anos de continuidade do projeto político demo-tucano no Estado e na cidade, é necessário atentarmos para a contradição fundamental expressa no aumento da desigualdade em São Paulo ao contrário do que ocorreu no conjunto do país. Pode-se dizer que a redução da pobreza e a melhora na distribuição da renda nacional não tiveram aqui o mesmo impacto por conta das políticas públicas desenvolvidas em âmbito estadual e municipal.
Políticas de geração de empregos, renda mínimas, aumentos salariais reais implementadas nacionalmente não foram acompanhadas de melhorias na educação, saúde, transporte, habitação, entre outros serviços públicos a serem ofertados preferencialmente pelo Estado e Prefeitura. Esses serviços são elementos centrais para a redução da pobreza. Se não, vejamos a título de exemplo:
Na área de saúde, 26 distritos, em sua maior parte na periferia, têm indicador zero de leitos por habitantes.
Na área de transporte, tínhamos em janeiro de 2006, 14.846 ônibus municipais; Seis anos após houve um incremento de apenas 62 veículos.  No início do seu segundo mandato, Kassab prometeu 66 quilômetros de corredores de ônibus, dos quais nenhum foi entregue até o presente momento.
Na educação, 44,5% da demanda de creches não é atendida. Na periferia, regiões como Marsilac chegam a apresentar 50% das escolas de ensino fundamental com o chamado turno da fome. *
Déficits habitacionais, de equipamentos culturais e de lazer, entre outros, complementam o quadro de abandono a que foi renegada a maior parte da população paulistana.
A essa situação soma-se o caos urbano provocado pelas enchentes ocasionadas pela negligência histórica com nossas áreas verdes, sistemas de drenagem e escoamento de águas pluviais, a crise de mobilidade que ceifa renda dos mais pobres impedidos de trabalhar, consumir lazer. Em suma, problemas que a todos pune, mas com muito mais rigor a população trabalhadora.
Enquanto isso, os interesses da especulação imobiliária pautam as intervenções urbanas nas chamadas operações consorciadas tais como o Projeto Nova Luz, Águas Espraiadas, Barra Funda, entre outros, com o objetivo de favorecer grandes empreendimentos urbanísticos concedidos ao Capital imobiliário. **
Sem dúvida, tais opções de políticas públicas não podem se dar sem conflitos e confrontos e é aí que as forças de segurança do Estado são deslocadas para reprimir movimentos sociais, ambulantes, excluídos e todos aqueles que se opõe ou são considerados empecilhos para a realização do projeto político-urbano que atualmente está vigente em nosso Estado e cidade. A isso devemos chamar sim de higienização. A segurança do cidadão dá lugar à segurança do objetivo político a ser alcançado.
Nesse contexto, até os grandes eventos projetados para ocorrerem tornam-se pretextos para realização do lucro especulativo.
O ano de 2012 vai ser um ano de intensos debates político-eleitorais e é o momento de darmos uma solução para a contradição elementar a qual me referi no início desse artigo. É chegada a hora de reposicionarmos nossa cidade no cenário nacional e colocá-la nos mesmos trilhos em que avança nosso país e, para isso, não devemos hesitar:
Haddad para prefeito e PT na câmara municipal.


* Dados obtidos da ONG Nossa São Paulo
** Sobre a dinâmica especulativa tive oportunidade de referir-me em artigo anterior.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Pelo direito à cidade



A fragmentação do espaço urbano paulistano, conforme temos insistentemente afirmado, é resultado direto da ação econômica e política dos agentes imobiliários para se apropriarem da renda da terra urbana. Capturado o Estado por parte desse setor social, todas as políticas públicas tornam-se estratégicas para que ocorra aquilo que os especuladores chamam de realização da valorização. Trata-se na verdade de transferência de renda social, expressa nos impostos e taxas que pagamos, para uma ínfima parcela de proprietários de imóveis e terrenos, intermediários, construtoras e imobiliárias.
Geógrafos e urbanistas já alertaram para esse fato que, além de concentrador de renda, determina também a organização do território urbano, inclusive no que diz respeito às vias de circulação, causando a crise de mobilidade que assistimos hoje, por exemplo, em São Paulo.
Para amenizar tal dinâmica, o estatuto da cidade, lei 10257 de julho de 2001, estabeleceu um conjunto de instrumentos de política urbana, cujo objetivo estratégico é regular “o uso da propriedade urbana em prol do bem coletivo, da segurança e do bem estar dos cidadãos, bem como do equilíbrio ambiental”. Conforme a referida lei, tais instrumentos podem ser divididos em três grandes grupos: Planejamentos institucionais, mecanismos tributário-financeiros e instrumentos jurídico-políticos. Nesse contexto, planos diretores, operações urbanas consorciadas, leis de zoneamentos, certificados de potencial adicional de construção (CPAC’s), constituição de reservas fundiárias são, dentre outros, alguns exemplos de mecanismos para o combater à especulação imobiliária como indutor do crescimento das cidades.
Digo amenizar, pois sabemos que em uma sociedade capitalista, a determinação econômica e política fazem sucumbir determinados marcos regulatórios que objetivem uma organização societária mais justa e garantidora de direitos. Por conta dessa realidade insofismável é que sabemos que só a luta social pode garantir efetivos direitos para o conjunto da sociedade.
Para melhor exemplificar esse raciocínio, temos o Plano Diretor da cidade de São Paulo. Instrumento legal, garantidor de avanços inquestionáveis para toda população paulistana, e que foi nos últimos anos abandonado, por vezes parcialmente, outras totalmente, quando da execução de intervenções por parte da prefeitura. Se não, vejamos:
O projeto Nova Luz, inspirado nos modelos higienistas do começo do século vinte e que consistiam em deslocar os pobres para bairros distantes, objetiva entregar a grandes consórcios empresariais a concessão de várias áreas, aumentando o potencial de construção, prejudicando toda a população local. A operação urbana consorciada que deveria garantir direitos aos moradores, garantirá o lucro do capital especulativo imobiliário: 61% dos imóveis serão desapropriados, 50% dos custos serão bancados pelo poder público e 30 anos serão privatizados na forma de concessão para “retorno do investimento”.
No Itaim Bibi, a troca de um terreno no qual se encontra uma escola municipal, uma estadual, uma creche, uma biblioteca, um posto de saúde, pela construção de creches é um escárnio. Não se troca direitos sociais por outros. A recusa da prefeitura em assinar convênio com o MEC para a construção e manutenção de creches na cidade só evidencia o interesse de se entregar terrenos públicos em áreas valorizadas para a construção de imóveis de alto padrão.
No caso das operação urbana consorciada água espraiada, o custo estimado de dois bilhões de  dólares apenas para a construção de um túnel apresentado pela atual administração supera em muito os valores estimados pelo governo de Marta Suplicy para todo o projeto. Os recursos advindos dos CEPAC’s serão insuficientes, o que levará a prefeitura custear, com recursos do orçamento, o faraônico projeto no qual se tornou essa operação urbana. Novamente a sociedade paulistana terá no poder público o agente que realizará a “valorização” de áreas para o setor imobiliário e construtor. Sem contar as incertezas, angústias e revoltas que caracterizam a população local por não ter seu direito à moradia garantido até o presente momento. Convém não esquecermos que a lei municipal 13260 de 2001 que instituiu essa operação urbana, promulgada no governo Marta Suplicy, previa a incorporação do bairro de Americanópolis para expansão de programas habitacionais, já que se trata de região repleta de áreas de acentuada declividade e solo exposto, portanto de alto risco. Essa região foi completamente abandonada nos últimos oito anos e agora também, nesse momento em que se recoloca a intenção da administração de retomar as obras desse projeto.
Por conta dos grandes eventos a serem realizados nos grandes centros urbanos brasileiros nos próximos anos, e, em particular na cidade de São Paulo, assistiremos um conjunto de intervenções urbanas que, a pretexto da urgência, não garantirão o direito de todos à cidade, propiciarão grandiosas cifras ao setor especulativo/construtor, em suma, aprofundarão o abismo social urbano. Para isso, assistiremos o uso inescrupuloso das possibilidades abertas nas brechas dos marcos regulatórios ou à revelia deles.
É diante desse quadro que mobilizações políticas e sociais por parte dos movimentos populares (moradia, educação saúde, etc.) deverão se intensificar no próximo período: Trata-se de garantir a todos o direito à cidade.
                      





quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Debate na Bahia


Debate na Bahia
O modelo de desenvolvimento brasileiro, desde final da década de 50, está assentado na expansão da indústria automobílistica, e embora apresente seu esgotamento como modelo de industrialização e a consequente urbanização, continua ser determinante na definição de políticas públicas. Por ocasião do Fórum mundial social em 2010, tive oportunidade de ir a Bahia e verificar a discussão presente sobre a construção da ponte Salvador - Itaparica, proposta que agradava a alguns e contrariava outros tantos. De fato, o transporte para aquela ilha é muito precário para a população mais pobre, dependente de embarcações maiores que, para aportarem em Salvador, precisam de maré cheia, caracteristica do local de onde partem. Por vezes, filas longas e demoradas complementam a paisagem. Já a população com maior poder aquisitivo pode prescindir deste meio de transporte, embarcando  de outros piers em naus mais ágeis, confortáveis e rápidas. Afora o impacto ambiental sobre a ilha, a ser causado pelo aumento do tráfego de pessoas, a experiência de outras ações desse porte não são nada animadoras. A título de exemplo, os monumentais congestionamentos característicos da ponte Rio-Niterói ilustram o pesadelo no qual se torna esse tipo de iniciativa. Ciente da contrariedade, dentre outros,  do escritor João Ubaldo Ribeiro com relação a este projeto, tomei a iniciativa de compor um samba bem humorado sobre o tema. Apresento-o em duas versões. No link abaixo, a música já trabalhada em estúdio e na sequencia, um vídeo caseiro com voz e violão. Espero que seja do agrado de vocês.
Um grande abraços a todos e todas
Roberto Guido



domingo, 2 de outubro de 2011

Tour urbano

Tour urbano é uma composição de minha autoria, tanto a letra quanto a música. O tema surgiu das lembranças de imagens urbanas que permeiam o cotidiano de todos que vivem nas grandes cidades : crianças e adolescentes em faróis, verdadeiros malabaristas da sobrevivência, contigentes gigantescos de pessoas a circularem por metrôs insuficientes, poluição encobrindo céus sem estrelas, impermeabilização completa do solo, o cinza predominante, em suma, todos elementos constituintes da paisagem urbana. De qualquer forma, não obstante tais agruras, as pessoas dão e procuram o seu melhor. Querem uma vida digna, um teto para se aquecer, e uma rima para cantar. Apresento a melodia em duas versões, uma trabalhada em estúdio, e outra, em vídeo, num despretencioso ensaio. Espero que apreciem 




Tour urbano - vídeo ensaio

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Entre sambas e tarantelas

O inverno de São Paulo alimenta as almas mais introspectivas, numa monumental antítese à tradição italiana que se expressa, dentre outros aspectos e fatos, na festa da N.Sra. da Achiropita, evento anual que ocorre no mês de Agosto no bairro do Bexíga. Desde 1926, por ocasião deste congraçamento, a comunidade italiana e paulistana se mobiliza de forma intensamente  peculiar com o objetivo de arrecadar recursos para as obras sociais da paróquia da comunidade. Tradição  católica vinda da Calábria do século VI, região pobre e agrária no sul da penísula itálica, a Maria da Achiropita refere-se a uma Maria não pintada por mãos humanas em uma capela daquela região.
Essa manifestação de religiosidade, congraçamento e solidariedade é um importante marco cultural de nossa cidade.
Esse caráter talvez não combine com o ideário de uma cidade cosmopolita, moderna e globalizada. Extensas avenidas entupidas,  pontes estraiadas, shoppings centers padronizados   edifícios envidraçados erguidos sobre colunas de aço, tem, para alguns, mais a ver com uma cidade mundial.
Aliás, congraçamento e solidariedade também não combinam com ações homofóbicas, políticas higienistas, eliminação do diferente.
Enquanto segue a festa, pessoas são agredidas por homofóbicos incentivados por pessoas públicas, outros são  expulsos ou recolhidos por conta das opções políticas do poder público. Eliminar o diferente, padronizar atitudes, espaços, manifestações, consumo. Esse é o objetivo de um modo de produção que admite o diverso até o ponto em que lhe não ofereça riscos à sua reprodução. Quando finda a festa, a produção e reprodução da desigualdade continua  sua trajetória , enquanto os diferentes devem ser eliminados e os desiguais afastados da cidade embelezada.
De qualquer forma, ainda há mais um final de semana para apreciarmos uma fogazza no velho bairro italiano que dança em meio à sambas e tarantellas e recebe tanta diferente gente.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Depois de alguns dias ausente, retomo tema já abordado neste blog, agora temperado pelos últimos acontecimentos na cidade de São Paulo determinados pela maioria dos nosso edis e nosso nobre alcaide




 Reforma Urbana já

O modelo de política urbana brasileiro, assentado no transporte individual e na especulação imobiliária resultou na fragmentação do espaço urbano e no colapso da mobilidade nas grandes cidades do nosso país. O setor imobiliário continua a se apropriar da renda da terra, elegendo o poder político na maioria das câmaras municipais e investimentos em grandes obras viárias continuam intensos em detrimento do transporte coletivo.
No caso da cidade de São Paulo, a malha viária obedece à evolução ditada pelo mercado imobiliário, desde a virada do século 19 para o 20 até o presente. Trata-se da tática de incentivos às ocupações nos extremos da mancha urbana, seja através da venda de terrenos e lotes a preços quase próximos de zero, seja através de ocupações irregulares. Com isso, cria-se uma demanda de infra-estrutura que acaba por resultar na transferência da renda da terra urbana para o setor imobiliário especulador por conta da “valorização” dos terrenos vazios que se situam nas áreas intermediárias entre o centro urbano e a extrema periferia.
Está tática, em consonância à estratégia de transferência de renda do conjunto da sociedade para um setor, desenvolvida durante relativa escala temporal e territorial resultou numa cidade em que todas as grandes vias convergem para o centro. Soma-se a isso a primazia ao transporte individual e estão dados os ingredientes para o colapso urbano que assistimos hoje em nossa cidade.
Mas isso não poderia ocorrer sem a contribuição do poder político, fartamente abastecido e financiado pelo setor interessado. Tanto o executivo, quanto o legislativo paulistano tem contribuído para essa situação. Obras pontuais, ausência de uma reforma tributária que coíba a especulação, políticas higienistas para expulsar pobres das novas áreas valorizadas, entre outras ações e ausências de ações, reafirmam essa perversa parceria entre o público e o privado.
 A título de exemplo podemos citar o projeto Nova Luz, que pretende “higienizar” o bairro, expulsando a população que lá se encontra em situação de risco e também moradores e comerciantes a pretexto de recuperar a área degradada, mas que em verdade trata-se de entregar toda a região para ser administrada por grandes consórcios e corporações.
Outra caso que retrata essa situação é a absurda troca de terreno no bairro do Itaím Bibi por creches na periferia para atender demanda do setor imobiliário por terrenos em áreas privilegiadas e valorizadas. Fechar uma escola municipal, uma biblioteca pública, uma creche, uma escola estadual, um centro de atendimento psico-social 24 horas, uma UBS e uma APAE para instalação de condomínios de alto padrão e shoppings centers seria crime em qualquer lugar do planeta. É sabido dos déficits no atendimento da demanda por creche, mas também o é que o orçamento municipal nunca teve como  prioridade esses serviços públicos, embora haja recurso para tal.
Outra situação ilustrativa observa-se no caso da operação urbana Água espraiada: o abandono do Plano diretor da cidade para retomada do projeto elaborado ainda na gestão de Maluf, removendo toda a população pobre da região de forma arbitrária e não planejada tem acentuado o caráter conflitivo destas ações e reafirma os interesses imobiliários que norteiam as políticas de gestão urbana do poder público municipal. 
Na câmara municipal, até setores de oposição parecem, por vezes, mais interessados em emendas pontuais para seus bairros de atuação do que realizar esse debate político ideológico que expressa um dos aspectos do conflito essencial entre classes sociais. È fundamental o resgate da reforma urbana como  bandeira incondicional de luta dos movimentos sociais.

domingo, 22 de maio de 2011

Jovens e mouros

Areias de arenas seculares secam diante do mar entre terras. Viva a juventude espanhola e moura.

sábado, 21 de maio de 2011

Mídia que recuperar Caminho Suave


Sobre a cruzada para assassinar a língua
Caminho Suave, cartilha de alfabetização criada na década de 40 do século passado, que se assentava na metodologia fonética e silábica, foi abandonada na década de 90,  por conta da hegemonia construtivista nos ambientes escolares. Porém, a grande imprensa brasileira parece mobilizada para recuperar tal cartilha como manual primeiro dos nossos estudantes. É o que se depreende da cruzada que se faz contra o Ministério da Educação.
Reproduzo abaixo texto de Marcos Bagno a respeito da politização sobre o livro didático distribuido pelo MEC. Sobre  interesses econômicos que motivam o bombardeio,  sugiro uma passada no Blog do Mello : http://blogdomello.blogspot.com/2011/05/por-que-abril-esta-soltando-os.html. Artigo de Maurício Dias, na Carta Capital, também merece ser lido no endereço http://www.cartacapital.com.br/politica/nao-ha-uma-lingua-so . De qualquer forma, a grande imprensa insiste em passar ao largo dos problemas estruturais que atingem a escola pública: baixos investimentos e desvalorização dos trabalhadores de educação.Trata-se ,é claro ,de uma opção de classe.

POLÊMICA OU IGNORÂNCIA?

DISCUSSÃO SOBRE LIVRO DIDÁTICO SÓ REVELA IGNORÂNCIA DA GRANDE IMPRENSA

Marcos Bagno
Universidade de Brasília

Para surpresa de ninguém, a coisa se repetiu. A grande imprensa brasileira mais uma vez exibiu sua ampla e larga ignorância a respeito do que se faz hoje no mundo acadêmico e no universo da educação no campo do ensino de língua.
Jornalistas desinformados abrem um livro didático, leem metade de meia página e saem falando coisas que depõem sempre muito mais contra eles mesmos do que eles mesmos pensam (se é que pensam nisso, prepotentemente convencidos que são, quase todos, de que detêm o absoluto poder da informação).
Polêmica? Por que polêmica, meus senhores e minhas senhoras? Já faz mais de quinze anos que os livros didáticos de língua portuguesa disponíveis no mercado e avaliados e aprovados pelo Ministério da Educação abordam o tema da variação linguística e do seu tratamento em sala de aula. Não é coisa de petista, fiquem tranquilas senhoras comentaristas políticas da televisão brasileira e seus colegas explanadores do óbvio.
Já no governo FHC, sob a gestão do ministro Paulo Renato, os livros didáticos de português avaliados pelo MEC começavam a abordar os fenômenos da variação linguística, o caráter inevitavelmente heterogêneo de qualquer língua viva falada no mundo, a mudança irreprimível que transformou, tem transformado, transforma e transformará qualquer idioma usado por uma comunidade humana. Somente com uma abordagem assim as alunas e os alunos provenientes das chamadas “classes populares” poderão se reconhecer no material didático e não se sentir alvo de zombaria e preconceito. E, é claro, com a chegada ao magistério de docentes provenientes cada vez mais dessas mesmas “classes populares”, esses mesmos profissionais entenderão que seu modo de falar, e o de seus aprendizes, não é feio, nem errado, nem tosco, é apenas uma língua diferente daquela – devidamente fossilizada e conservada em formol – que a tradição normativa tenta preservar a ferro e fogo, principalmente nos últimos tempos, com a chegada aos novos meios de comunicação de pseudoespecialistas que, amparados em tecnologias inovadoras, tentam vender um peixe gramatiqueiro para lá de podre.
Enquanto não se reconhecer a especificidade do português brasileiro dentro doconjunto de línguas derivadas do português quinhentista transplantados para as colônias, enquanto não se reconhecer que o português brasileiro é uma língua em si, com gramática própria, diferente da do português europeu, teremos de conviver com essas situações no mínimo patéticas.
A principal característica dos discursos marcadamente ideologizados (sejam eles da direita ou da esquerda) é a impossibilidade de ver as coisas em perspectiva contínua, em redes complexas de elementos que se cruzam e entrecruzam, em ciclos constantes. Nesses discursos só existe o preto e o branco, o masculino e o feminino, o mocinho e o bandido, o certo e o errado e por aí vai.
Darwin nunca disse em nenhum lugar de seus escritos que “o homem vem do macaco”. Ele disse, sim, que humanos e demais primatas deviam ter se originado de um ancestral comum. Mas essa visão mais sofisticada não interessava ao fundamentalismo religioso que precisava de um lema distorcido como “o homem vem do macaco” para empreender sua campanha obscurantista, que permanece em voga até hoje (inclusive no discurso da candidata azul disfarçada de verde à presidência da República no ano passado).
Da mesma forma, nenhum linguista sério, brasileiro ou estrangeiro, jamais disse ou escreveu que os estudantes usuários de variedades linguísticas mais distantes das normas urbanas de prestígio deveriam permanecer ali, fechados em sua comunidade, em sua cultura e em sua língua. O que esses profissionais vêm tentando fazer as pessoas entenderem é que defender uma coisa nãos ignifica automaticamente combater a outra. Defender o respeito à variedade linguística dos estudantes não significa que não cabe à escola introduzi-los ao mundo da cultura letrada e aos discursos que ela aciona. Cabe à escola ensinar aos alunos o que eles não sabem! Parece óbvio, mas é preciso repetir isso a todo momento.
Não é preciso ensinar nenhum brasileiro a dizer “isso é para mim tomar?”, porque essa regra gramatical (sim, caros leigos, é uma regra gramatical) já faz parte da língua materna de 99% dos nossos compatriotas. O que é preciso ensinar é a forma “isso é para eu tomar?”, porque ela não faz parte da gramática da maioria dos falantes de português brasileiro, mas por ainda servir de arame farpado entre os que falam “certo” e os que falam “errado”, é dever da escola apresentar essa outra regra aos alunos, de modo que eles – se julgarem pertinente, adequado e necessário – possam vir a usá-la TAMBÉM. O problema da ideologia purista é esse também. Seus defensores não conseguem admitir que tanto faz dizer assisti o filme quanto assiti ao filme, que a palavra óculos pode ser usada tanto no singular (o óculos, como dizem 101% dos brasileiros) quanto no plural (os óculos, como dizem dois ou três gatos pingados).
O mais divertido (para mim, pelo menos, talvez por um pouco de masoquismo) é ver os mesmos defensores da suposta “língua certa”, no exato momento em quea defendem, empregar regras linguísticas que a tradição normativa que eles acham que defendem rejeitaria imediatamente. Pois ontem, vendo o Jornal das Dez, da GloboNews, ouvi da boca do sr. Carlos Monforte essa deliciosa pergunta: “Como é que fica então as concordâncias?”. Ora, sr. Monforte, eu lhe devolvo a pergunta: “E as concordâncias, como é que ficam então ?

Aquartelando territórios



Aquartelando territórios

Indicam as estatísticas da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo que somente no mês de abril tivemos na capital do estado 3475 furtos de veículos, 2971 roubos de veículos, 89 homicídios dolosos, 8831 roubos, entre outras modalidades de ocorrências. Manchete da Folha de São Paulo, no caderno cotidiano, de 21 de maio de 2011 informa que “Guardas da USP registram um roubo ou furto por dia”. A matéria dá conta de que, no mês de abril, houve na cidade universitária 18 casos de roubo, não havendo homicídios, tentativas de homicídio ou estupro. Cabe aqui uma pergunta fundamental: Por que os indicadores de violência na USP são infinitamente mais baixos do que no restante da cidade paulista, mesmo considerando-se os diferentes contingentes demográficos que habitam ou freqüentam tais localidades?
A fatalidade que acometeu um estudante da FEA nesta semana inflamou um debate que se quer reduzir à presença ou não da polícia militarizada dentro do campus universitário. Esta não é a questão fundamental. O que deveria ser objeto de debate é o próprio caráter do policiamento que se pretende: militarizado ou comunitário, repressivo ou preventivo.
Novamente assistimos a imprensa conservadora utilizar-se de um trágico episódio para vender seus jornais e defender a visão de setores sociais, que para manutenção de seus privilégios de classe necessitam de um aparelho repressivo brutal e, para os quais, qualquer outro modelo de segurança pública não seria, para seus objetivos, eficiente.
É nesse ponto que a discussão sobre policiamento na USP toma uma dimensão política e ideológica fundamental: trata-se de, na raiz do problema, discutirmos porque ainda precisamos militarizar nossa segurança, se é fato que vivemos numa plena democracia, ou se, por não ser tão plena assim, devemos aquartelar os espaços que habitamos.   

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Espasmos do poente

Espasmos do poente
(poema cinzento)

Neblinas empoeiradas
perseguem o poente urbano
enquanto trens subterrâneos
vomitam pessoas por plataformas
plantadas em arrabaldes sem cor.

Sístoles e diástoles desvairadas
por entre turvas avenidas
conduzem espasmos do poente
que segue retalhado diante de íris sem brilho.

Vertigens tingem edifícios absolutistas
em telas amorfas , despedaçadas
enquanto brumas cinzas e entardecidas
seguem ao sopro da noite.

Só sonhos pensados não bastam nas
arenas da cegueira iluminada.

Roberto Guido 20/01/02





 

domingo, 8 de maio de 2011

Manhã na cidade




Plenária de pássaros
perambulam por ares amanhecidos.
Prédios orvalhados espreguiçam-se
diante de olhos recém avivados.
E o dia nasce.

Murmúrios de mercados
são mascados por  hálitos  solitários.
Vozes na forma de sopro tentam
se recompor
diante da morte da noite.


Avança a manhã
por sobre a cidade.

Enquanto se escondem neons,
sons em semitons traquinam
por ouvidos despertos.

Brincadeiras de infância
deslizam na manhã
tirando rugas que a noite largou pelas ruas.














sábado, 23 de abril de 2011

As primaveras de Portugal


Enquanto visitamos mais um outono pelas bandas de cá, o povo do norte reencontra a primavera. Sim, não invertamos a ordem da coisas. Nós passamos,  as estações permanecem.
Estava a pensar sobre isso quando Isabel Heitor me lembra, pela rede social, que segunda feira, 25 de Abril, celebram-se  37 anos da vitória do povo português sobre a escuridão com a qual Salazar cobriu a terra de Pessoa. Postou Grândola, Vila Morena, hino da revolução dos Cravos. Também o faço aqui. Sublime e necessária lembrança:  tinha que ser na primavera.
Estranha coincidência, se é que é possível haver acasos inteligíveis, esta lembrança ocorrer enquanto me dedico à leitura de "A jangada de pedra", obra de Saramago, outro humano singular nascido nas terras do Tejo. O metafórico desprendimento da Penísula Ibérica, após imensas rupturas tectônicas nos Pirineus, e sua transformação em  imensa nave rochosa lançada à deriva pelo Atlântico é o fio condutor desse romance,  que se desenvolve abordando aspectos da língua, arte e  cultura constituídas naquela parte do globo.
Livro escrito em circustâncias de intensos debates políticos e econômicos e que resultaram na unificação européia, ja prenunciava a configuração geopolítica amplificadora da centralização do poder mundial por parte das chamadas potências ocidentais.
Nesse momento em que Portugal enfrenta uma brutal crise econômica, produzida pela submissão às políticas ditas neoliberais, a recordação da Revolução dos Cravos e a (re) leitura desta obra são imperativos. A grandeza do povo português, expressa na sua história e na sua cultura, não deve submeter-se à ingerência das agências internacionais , insistentes em pregar receitas para os outros, mas que sequer ousam opinar sobre a crise que se estabeleceu nos países do centro do sistema os quais elas representam.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Lira paulistana e o espaço urbano

Na década de oitenta, o grupo Premeditando o breque, o Premê, junto com o grupo Rumos, Arrigo Barnabé, Itamar Assumpção e o Isca de polícia, Língua de Trapo, Clemente, Passoca, Alzira Espíndola, Jorge Mautner, Ná Ozzetti, Tetê Espíndola, Virginia Rosa, entre outros, foram responsáveis por um movimento de vanguarda na música de Sampa que se convencionou denominar Lira paulistana. E até por ser, de fato, um movimento a frente do seu tempo, as obras produzidas naquele momento não perderam a atualidade e, pelo visto, vão continuar sendo referência para a produção cultural que virá por um bom par de anos.
O Brasil daquela época voltava vagarosamente a trilhar os caminhos da democracia, bombardeada pelos setores apeados do poder, que insistiam em lá permanecer, e pela crise econômica herdada dos militares. Embora esse fosse o contexto, é lícito dizer que do ponto de vista cultural, o impulso para avançarmos na democratização foi bastante vigoroso por parte do Lira,  sem querer subestimar, é claro, o papel das fortes mobilizações sociais no período.
Escolhi uma música do Premê para (re)apresentar para vocês, entitulada São Paulo, por conta de que, penso eu, ela sinteitiza bem o que escrevi acima. Sua atualidade na interpretação do espaço urbano é notável. Mayara Gonçalves acerta não mão ao dirigir este vídeo e nos presenteia com essa pérola de humor  e realismo . Aproveitem

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Rebento de cada dia

Retinas oscilam pelo tempo,
viadutos percorrem espaços.
Imagens invadem os portais da memória
e o infindável rebentar da história,
por vezes lento, outras ligeiro
segue...


vão se tecendo movimentos.
Bondes, prédios, homens.
Em todos os sentidos,
em aparentes sem sentidos,
são sentidos
os  pulsares do rebento.



Não são ritmados, nem ciruculares.
Não prescindem das praças,
nem dos largos.
Os pulsares do rebento vagam
por todo canto.
Lotam ônibus, trens...
vão, vem.





Inundam ruas em progressões
aritméticas, geométricas,
num dionisíaco murmurar.
Desnudando tempos e espaços.
Paralisando ritmos.
Movimentando imóveis.
Sem epílogos, seguem
construindo a odisséia humana.

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Barbáries plurais e singulares

Vincent Van Gogh
O Escolar (O Filho do Carteiro - Gamin au Képi)


A intensidade da bárbarie no Realengo não me permitiu, de imediato, postar algo sobre o ocorrido. Corria o risco de banalizar o problema, como de resto, é o que ocorre na grande imprensa. A singularidade e intensidade da tragédia serve ao sensacionalismo do mercado e esse à ocultação dos problemas estruturais que caracterizam a escola pública brasileira. De qualquer forma, melhor fazê-lo agora, quando as aulas retornam à Escola municipal Tasso da Siveira, retorno esse que é a melhor forma de homenagear a memória das crianças que perdemos.
Mas, se de resto, o caso da escola carioca apresenta especificidades por conta da sua brutalidade, não menos verdade que a violência verbal e física, em maior escala, tornou-se generalizada nas escolas públicas brasileiras
A questão da violência escolar está intimamente relacionada à qualidade do ensino que se oferta. Uma escola pobre, que desvaloriza seus profissionais, sem laboratórios, sem bibliotecas, sem professores, sem funcionários, sem assistentes sociais, sem psicólogos, sem gestão democrática, sem currículos que tenham a ver com o mundo real, entre outras ausências, não pode ser um ambiente que resista a violência presente no conjunto da sociedade.
Uma escola diferente desta que aí está demanda recursos e nisso reside, na essência, a divergência de projetos para a educação pública. Câmaras de filmagem , revisão do Estatuto da criança e do adolescente são medidas, entre outras propostas mágicas, mais baratas para manutenção de uma escola pobre para a classe trabalhadora e que setores conservadores voltam a tirar da cartola num momento como esse.
Que o caso de Realengo tem sua singularidade, é fato,e não deve servir para que nós nos esquivemos do debate de fundo, qual seja,de que não podemos admitir mais uma escola pobre e excludente para a maior parte da população brasileira, nossa bárbarie plurarizada.